ativo financeiro
Finanças

Tudo sobre ativo financeiro: O que é e como funciona

 

O mundo financeiro está cada vez mais aberto para receber pessoas físicas (os chamados “CPFs”) e as pessoas físicas estão cada vez mais encantadas com as possibilidades que investimentos podem trazer. Nesse contexto, se você é uma das pessoas que tem interesse em começar a investir, seja na bolsa de valores ou não, é importante que você entenda diversos conceitos antes disso, por exemplo, o conceito de ativo financeiro.

Para te ajudar nesse processo de aprendizagem, esse artigo foi feito com o intuito de desmistificar esse que é um dos principais conceitos do mundo dos investimentos, o ativo. Nele, iremos explicar o que é um ativo financeiro, falaremos sobre os principais ativos financeiros que existem e suas duas classificações, além de abordarmos as vantagens de investir neles, entre outras coisas. Confira logo abaixo!

Veja também:
Qual a diferença entre CALL e PUT? Descubra
O que é um refinanciamento? Quais são as vantagens de fazer?
O que é renda fixa e variável? Tire suas dúvidas

O que é um ativo financeiro?

Se seguirmos a definição ao pé da letra, um ativo financeiro é um investimento que vale dinheiro, mas que não podemos vê-lo, apenas movimentá-lo (comprar, vender, trocar, etc). De forma simplificada, um ativo é o produto de negociação do mercado financeiro, bolsa de valores, títulos, depósitos bancários, entre outros, ou seja, o ativo é algo intangível, mas que é usado para fazer negociações em todo o mundo. 

Esses ativos são criados, basicamente, quando uma empresa, instituição financeira ou até mesmo o governo de um país decide substituir a negociação em dinheiro por negociação em papel através de contratos que os clientes podem comprar. Nesse contexto, esses ativos são criados por diversos motivos: seja para financiar alguma nova expansão da companhia, para investir em tecnologia nova, para movimentar dinheiro, para investir em obras públicas (se o ativo for o tesouro direto, por exemplo) entre outras razões.

No caso de empresas, esses ativos costumam ser negociados na bolsa de valores em forma de ações, que nada mais são do que pedaços da empresa que representam a “compra” de uma fração da empresa pelo seu proprietário. Em linhas gerais, ter ações de uma empresa te dá o direito de receber parte do lucro dela, mas há algumas companhias que permitem que os acionistas participem de tomadas de decisões e tenham prioridade na repartição de lucros.

Quais as vantagens de ter ativo financeiro?

Possuir ativos financeiros te dá diversas vantagens, mas a principal delas é a possibilidade de aumentar seu patrimônio muitas vezes. Isso porque, diferente de outros investimentos como a caderneta de poupança, que pouco acompanha a inflação, os ativos, especialmente os de rendimentos prefixados, podem fazer seu dinheiro aumentar com segurança ou, se você preferir os de maior risco, eles podem fazer seu dinheiro aumentar com rapidez.

Além disso, diferente do que acontece em investimentos como imóveis, é possível que você recupere o seu dinheiro de forma rápida. Tal fato acontece porque esses investimentos costumam apresentar “liquidez” maior, o que significa que eles podem ser vendidos ou resgatados mais facilmente (para saber se o seu ativo pode ser resgatado facilmente, basta ver o nome localizado perto do ativo “D”+ algum número, esse número representa o número de dias em que você pode resgatar o ativo depois de investir).

Para que são usados os ativos?

Existem várias razões para se construir uma carteira de ativos financeiros. Nesse contexto, muitas pessoas compram ativos por algum motivo específico, tais como:

  1. Gerar renda com a receita que esse investimento gera (em alguns casos, a renda pode ser fixa ou variável, mas precisa ser constante);
  2. Construir uma reserva emergencial (especialmente através de investimento em ativos que possuam alta liquidez e que são seguros, como os do tesouro direto);
  3. Crescer o capital: esse, em especial, é usado por aquelas pessoas que possuem planos a longo prazo, como o de comprar um carro ou uma casa e essas pessoas costumam investir pensando justamente nisso;

Quais são os ativos financeiros?

Existem diversos tipos de ativos financeiros disponíveis no mercado e cada um possui suas características próprias. Basicamente, eles são divididos em dois grandes grupos principais, que são:

  • Ativos de renda variável:

Esses ativos são os que normalmente estão associados a algo que pode sofrer alteração conforme as oscilações do mercado, por exemplo, os que estão atrelados a fundos cambiais, as ações, entre outras. São eles: 

  • Fundos de investimento de renda variável: 

Nesse fundo, você escolhe a que estará atrelado o seu lucro, por exemplo, se você quer ele atrelado a moeda de algum país.

  • Ações: 

Basicamente, nesse fundo você compra partes de uma empresa. Em outras palavras, isso significa que quando uma companhia precisa de dinheiro (pode ser para abrir uma nova filial, para investir em novas tecnologias, entre outros motivos), ela pode ir até a bolsa de valores e vender ativos que dão direito aos seus portadores de partilhar os lucros dessa empresa. Esses ativos são ações, ou seja, frações de uma empresa que está na bolsa de valores.

  • ETFs:

Apesar de não serem tão conhecidos pelo público leigo, os Exchange Traded Funds são bastante fáceis de operar: sua gestão é passiva, o que significa que dá para fazer aplicação uma só vez e ele se autogerencia, possibilitando baixo custo de manutenção. Basicamente, esse fundo constrói seu lucro por se atrelar a índices financeiros;

  • Ativos de renda fixa:

Essa categoria de ativo faz parte da carteira de muita gente por proporcionar um investimento seguro. Com esses ativos de renda fixa, você pode fazer reservas emergenciais e aumentar seu patrimônio sem se preocupar muito em mudanças bruscas do mercado visto que o rendimento do que você investiu é determinado bem no começo da negociação. No entanto, antes de optar por esse tipo de investimento, é preciso que você entenda que o ponto negativo dele é que sua rentabilidade é baixa se comparado a outros tipos de investimentos mais arriscados.

Nesse contexto, os tipos de ativos de renda fixa são:

  • CDB – Certificado de Depósito Bancário: 

A função do CDB, basicamente, é fazer com que o banco circule dinheiro, ou seja, basicamente, é como se você estivesse emprestando dinheiro para o banco para ele poder emprestar para outra pessoa. Em resumo, com esse tipo de investimento, você pode investir em alguma instituição financeira de sua preferência e, em troca, o banco te paga um valor que pode variar de acordo com o CDI.

  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI) Letras de Crédito do Agronegócio (LCA): 

Esse tipo de investimento são letras de crédito isentas de imposto de renda que tem por objetivo captar recursos para aquecer essas áreas de negócio. Ou seja, nele, é como se você emprestasse dinheiro para o agronegócio e para o mercado imobiliário e eles irão te pagar a longo prazo.

  • Letras de Câmbio (LC):

Assim como o CDB, a LC também é uma estratégia usada por bancos para captar recursos financeiros, porém, apenas por bancos de menor porte. Nesse contexto, o LC tem rendimento vinculado a contratos de financiamento e garantia de FGC em investimentos de até R$ 250 mil reais.

  • Tesouro Direto:

Esse tipo de investimento é emitido pelo tesouro nacional, ou seja, são títulos públicos. No que diz respeito ao seu rendimento, ele pode acontecer de duas formas: préfixado (quando o que você vai ganhar é determinado antes de fechar negócio) e indexado (seja pelo IPCA ou pela taxa Selic). 

  • Debêntures:

Esses títulos de renda fixa são criados com o objetivo de custear projetos de empresas privadas. Normalmente, eles possuem alto rendimento, porém, esse rendimento não é garantido pelo FGC.